Ore pela força que Deus provê

Nós, pessoas fracas, frequentemente precisamos orar por força. “Oh Pai, por favor dê-me força para…” é uma oração maravilhosa. É uma oração necessária, e é uma oração que honra a Deus porque lembra a fonte verdadeira de nossa força (Êx 15:2).

O que nós estamos realmente pedindo?

Mas quando nós pedimos a Deus por força, o que realmente estamos pedindo? Nós estamos pedindo pela força que Deus quer nos dar, ou estamos pedindo pela força que nós queremos ter?

A razão de pedir é importante porque as duas não podem ser a mesma. O mais importante na agenda de Deus para nós é o fortalecimento da nossa fé (Hb 11:6; Gl 2:20). O mais importante na nossa agenda é frequentemente realizar algumas coisas necessárias ou nobres, ou escapar da aflição ou humilhação. Estes podem não ser desejos errados, mas eles podem ser as prioridades erradas.

Quando esse é o caso, nossa concepção da força que nós precisamos difere da de Deus. A força que Deus provê (1 Pe 4:11) frequentemente provê capacidade para crer nas suas promessas, que podem requerer morrer para nossas realizações idealizadas ou sofrer o que nós desejamos escapar. Quando nossas concepções colidem com as de Deus, nós somos tentados a crescer frustrados com Deus e com o coração perdido na oração (Lc 18:1). Porque nós pedimos por força e, para nós, parece que não a recebemos. De fato, as coisas pioram. Nossa fraqueza é intensificada, não diminuída. Mas o que está realmente acontecendo aqui não é a negligência ou indiferença de Deus para com nossas orações, mas um conflito entre nossas expectativas e as intenções de Deus.

Contudo, quando percebemos que a força que Deus está provendo é melhor, mais alegre e esperançosa, nós podemos mudar a forma que nós oramos pedindo por força, e mudará nossa compreensão das respostas de Deus.

Quando eu sou fraco, então eu sou forte?

O padrão bíblico do fortalecimento divino dos seus santos é esse: Deus escolhe uma pessoa fraca, pecadora para ser seu santo redimido; Deus enfraquece ainda mais estss santos através das adversidades físicas e/ou circunstanciais; o santo é constrangido a crer nas promessas de Deus; Deus prova a fidelidade dEle a suas promessas; a fé do santo é fortificada e a esperança aumenta porque a fé dele(a) não descansa na sabedoria de homens mas no poder de Deus (1 Co 2:5).

Esse padrão é narrado em tudo do início ao fim da bíblia. Assim que você vê isso, você vê em todo lugar. Talvez o texto que mais mostra esse padrão claramente é o que Paulo escreveu em 2 Coríntios 12:7-10:

“E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar. Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.”

Isso é uma declaração estranha: “quando eu estou fraco, então eu sou forte.” O que Paulo quer dizer? Ele dizia que através da disciplina amorosa do espinho pregado por Deus – agente de fraqueza dele – Paulo foi forçado a “não depender dele mesmo mas de Deus que ressuscita os mortos” e por sua esperança totalmente em Deus (2 Co 1:9-10). Paulo veio a compreender que esse agente de fraqueza tornou-se um agente fortalecedor nas mãos de Deus.

Deus mudou o entendimento de Paulo, que fortaleceu sua fé, o qual abasteceu sua esperança.

Como Deus ama nos fortalecer

Quando Deus começa a responder nossa oração, frequentemente a primeira coisa que Ele faz é ajudar-nos a desaprender nossas compreensões erradas. Experimentar o fracasso dessas compreensões erradas pode inicialmente nos causa confusão, desânimo, ou angústia. Mas através desse processo de desaprendizado e reaprendizado, Deus provê a nós a “força para compreender” seus sábios e amorosos propósitos (Ef 3:18-19).

Um entendimento correto dos propósitos e amor de Deus aumenta nossa fé. Nós começamos a cada vez mais “andar pela fé, e não pelo que vemos” (2 Co 5:7) porque nós temos uma compreensão mais profunda das promessas de Deus sobre nós mesmos (2 Cos 1:9). Essa é a força que Deus quer fornecer em resposta às nossas orações porque é a vitrine de sua força (“o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”).

Como a força da nossa fé cresce, assim também a esperança em nossas almas. Quando nós dependemos menos de nós mesmos e mais de Deus, que ressuscita os mortos, e quando nós estamos cada vez mais confiantes que Deus é por nós, então nada pode finalmente ser contra nós (Rm 8:31). O que acontece é que “o Deus da esperança [enche-nos] com todo gozo e paz no nosso crer, de modo a que, pelo poder do Espírito Santo, podemos abundar em esperança.” (Rm 15:13).

Deus ama responder nossas orações com a força que nos faz abundar em uma esperança de fé abastecida.

Ore pela força que Deus provê

Deus ama quando você ora por força. E Ele promete responder você:

“Não tenha medo, pois Eu estou com você;

Não desanime, pois eu sou seu Deus;

Eu fortalecerei você, Eu ajudarei você,

Eu apoiarei você com minha destra fiel” (Is 41:10, ênfase adicionada).

Então, ore com confiança. E ore pela força que Deus provê. E mantenha seus olhos abertos para as as respostas dEle. Elas podem não parecer como as suas expectativas. Mas você pode estar certo que mesmo quando Ele responde com um agente de fraqueza, Deus está trabalhando para fortalecer seu entendimento, sua fé e sua esperança nEle.

John Bloom

Deixe uma resposta