O homem bíblico: O que a Bíblia diz acerca do papel do homem

Geralmente quando se fala sobre masculinidade, cria-se certa resistência, principalmente os homens. Ao ouvirem que esse será o tema a ser debatido, alguns olham com estranheza, questionando se serão ensinados sobre “como serem homens”. O problema consiste exatamente em aí. Por achar que isso se trata de algo natural e que pode ser exercido simplesmente “sendo”, muitos homens acabam distorcendo a verdadeira masculinidade. É claro que, quando usamos esse termo, estamos levando em consideração de que o homem em questão é cristão. Sendo assim, é nitidamente explicito que as Escrituras falam de que o homem sem Cristo distorce tudo, inclusive a si mesmo, vivendo de forma totalmente oposta ao que fora prescrito por Deus. Isso não quer dizer que o padrão bíblico não se aplique aos homens que não têm a Cristo, todavia, isso será para eles apenas mais um erro pelo qual incorrem em desobediência ao Criador, não sendo aquilo que foram criados para ser.

Para que possamos discorrer sobre o assunto, trataremos primeiramente de distinguir o conceito de masculinidade segundo as Escrituras e como elas definem o que é de fato ser um homem.

Para a maioria das pessoas, o homem é distinguido por suas características físicas, principalmente no âmbito sexual, mas a primeira informação que temos na Bíblia se choca com essa visão. O primeiro dado bíblico que temos acerca do homem é sua criação em Gênesis 1:26. É claro que nesse texto está incluso a criação da alma tanto do homem quanto da mulher: “macho e fêmea os criou” (Gn 1.27), mas podemos perceber com o desenrolar da revelação que, à luz desse texto em seu contexto, poderemos extrair implicações sobre a identidade masculina, ou o que será requerido dela.

Tendo sido criado pelo SENHOR, o homem fora colocado no jardim do Éden para o cultivar e o guardar. Todavia, como vimos no texto anterior, Deus havia criado macho e fêmea, mas, até então, o homem no capítulo 2 versículo 15 estava só, como é dito em Gênesis 2.18. Entre sua criação e sua colocação no Éden, Deus expressa uma ordem ao homem, que é lida em Gênesis 1.26,28. Ele deveria dominar e reger a criação e ainda se multiplicar. Quando a mulher é criada (toma corpo físico) em Gênesis 1.18-25, essa ordem não é repetida, como seria lógico fazer, pensando que os dois dividiriam o trabalho de cumprir igualmente essa mesma ordem. Com isso, é perfeitamente possível que entender que a ordem de administrar a criação cai apenas sobre os ombros do homem. Isso não exime a mulher de participar dessa administração, mas como fora citado no versículo 18 do capítulo 2, ela seria uma auxiliadora que o ajudaria e corresponderia a ele. Ou seja, para o homem fora designado o papel de governo e para a mulher, o papel de auxílio.

A partir daqui já podemos destacar o primeiro fator que caracteriza o homem como “homem”: seu serviço ao Criador através do cuidado para com a criação. Tanto pesa sobre o homem a gerência da criação, no tocante a mantê-la em harmonia diante de seu Criador, quanto administra-la de forma sábia para o seu sustento. Em face disso, percebemos o alto nível de distorção em que vivemos – o homem se abstêm de seu papel, negligenciando completamente o trabalho. É claro que a imagem de gênesis se difere muito da nossa em termos de cenário. Não lavramos literalmente a terra (pelo menos não o homem urbano) para recolher os frutos, mas o princípio bíblico de trabalho não está preso ao cenário, mas ao ser que atua no mesmo.

A narrativa bíblica demonstra que uma das características que compõem a masculinidade é a provisão do lar. Não estamos entrando aqui no mérito de a mulher poder ou não trabalhar, entendemos que isso é algo que pode ser tanto opcional (a mulher querer trabalhar, desde que não negligencie o cuidado para com o marido, a casa e os filhos), quanto circunstancial (a mulher ter de trabalhar com o fim de complementar uma renda básica para o sustento da casa), mas o que com certeza afirmamos é que a atuação obrigatória do homem para esse fim é algo inquestionável. A iniciativa de tomar sob seus ombros a responsabilidade de promover tudo o que for necessário para que seu lar e o ambiente que o envolve seja administrado de conformidade com a lei de Deus, e devidamente suprido de todas as suas necessidades, é a qualidade que o torna um homem segundo o padrão bíblico.

Outro destaque que merece ser dado seguindo o princípio bíblico é de que o homem deve fazer tudo isso de conformidade com a lei do SENHOR, como mencionado anteriormente. Ainda na narrativa de Gênesis 2.15, uma das atribuições do homem era “guardar”. A palavra guardar (וּלְשָׁמְרָֽהּ  trans:“vlishamarah”) no texto hebraico original possuí a ideia de observar, salvar, vigiar de perto, com o fim de que nenhuma ameaça entrasse no jardim do Éden. Esse lugar era o local de encontro de Deus com o homem, ou seja, era o “templo” ou “santuário” onde Adão se comunicava com seu Criador, e, portanto, ele deveria mantê-lo sempre livre de qualquer coisa que violasse aquele lugar. Aplicando isso para nós, o Éden hoje é o nosso lar, nossa casa, e é obrigação do homem mantê-lo a salvo de qualquer ameaça.

Em Gênesis 3, lemos o relato da queda da humanidade, e nos deparamos com a invasão do Diabo através da serpente que se comunica com Eva sem a supervisão de Adão. O papel do homem naquele momento era intervir naquela situação, e afastar o mal, para que não houvesse desequilíbrio no Éden, mas Adão não atua de conformidade com seu papel, então o pecado entrou. É também atribuição do homem proteger não somente seu lar de qualquer coisa que quebre a harmonia com Deus, mas também de evitar que aqueles que estão sob sua proteção (mulher, filhos etc.) sejam corrompido e incitados a se rebelarem contra o Criador. Isso ele fará através da observação cuidadosa e fiel das Escrituras, conhecendo-as e ensinando-as aos mesmos.

Outro ponto importante que deve ser tratado (embora tenha sido mencionado anteriormente) é área de atuação do homem em detrimento da mulher.

Nossa sociedade por vezes proclama palavras de ordem como “igualdade”, “direitos iguais”, “somos todos iguais”, e ainda atacam o cristianismo como sendo uma força que perverte essas ditas “verdades”. Todavia, o conceito é altamente deturpado, o que tem levado muitos homens a se distanciarem cada vez mais da execução de seus papéis, quando não os fazem trocar totalmente de lugar. A falsa luta por liberdade esconde, na verdade, uma profunda tentativa de distorcer o que as Escrituras ensinam sobre os perfis de gênero.

Em lugar algum das Escrituras se verá qualquer indício de que o homem é melhor ou possui maior importância para Deus. Se nossa ótica é genérica, ou seja, se observamos homem e mulher como seres humanos, sem dúvida alguma Deus olha para ambos de forma igual. Ambos são imagem de Deus, ambos possuem características que foram impressas em nós pelo próprio Criador (o que chamamos de atributos comunicáveis, exemplo: capacidade de raciocínio, capacidade para amar, senso de justiça), embora essa imagem esteja manchada por causa do pecado. Todavia, tanto o homem quanto a mulher foram criados com suas particularidades essenciais, ou seja, com traços comportamentais, emocionais e biológicos, o que implica dizer que do ponto de vista de gênero, homens e mulheres não são iguais, e é exatamente assim que a Escritura trata a ambos. Um exemplo disso, como já vimos são os papeis do homem e da mulher com relação ao cuidado da criação. O homem fora criado para governar e dominar a criação, mantendo-a em harmonia diante de Deus, e a mulher fora criada para auxiliar o homem nessa tarefa.

A visão social é de que homens e mulheres são iguais, e que, portanto, devem atuar nas mesmas áreas sem distinção de gênero. Basta olhar para características de ambos os sexos para se perceber que isso se trata de uma grade distorção. Como poderemos submeter uma mulher a um trabalho braçal, sabendo que dentro de pouco tempo ela será prejudicada por não ter força física suficiente para exercer essa função? Ou ainda como poderemos colocar um homem para lidar com crianças em uma creche, se o senso materno não está presente nele, para que ele possa desempenhar esse papel? Não estamos dizendo que não haja a possibilidade de se ter uma mulher forte, ou um homem habilidoso com crianças, mas estamos afirmando que, naturalmente, ambos têm aptidões que potencializam a realização das tarefas nas quais adequadamente se encaixam.

Essas mesmas aptidões ou habilidades naturais foram pensadas no homem e na mulher pelo próprio Deus, para que, através do exercício das mesmas, ambos possam atuar em suas áreas, pois, embora sendo diferentes, colaboram para gloria do Criador no cumprimento da gerência da criação.

Um caso que pode ser levantado para corroborar a completa modificação no perfil masculino é a criação dos filhos. Sem pais que entendem e vivem de acordo com a verdadeira masculinidade, os filhos não vendo a imagem paterna de educação e correção, crescem sem limites, rebeldes, contumazes, desrespeitando todo tipo de autoridade que se impõe sobre eles, e com isso cada vez mais vemos o crescimento de jovens inconsequentes que não se importando com o bom convívio em sociedade, cometem todo o tipo de absurdo sendo irresponsáveis.

Por outro lado, vemos também o outro extremo disso, homens que se comportam de maneira selvagem alegando que “isso é ser homem”. São rudez e descorteses com suas esposas, maltratam seus filhos, ignoram o atendimento às necessidades emocionais de ambos, e distribuem grosserias aos que o rodeiam. Por trás de toda essa carapaça rude, existe na verdade um homem que, ao ser cobrado ou pressionado acerca do cumprimento de seu papel, foge disso por meio desse comportamento, ou mesmo cinicamente se exime de agir, ignorando suas responsabilidades. Uma prova desse tipo de comportamento pode ser vista no relato da queda em gênesis 3. Quando Adão é chamado à responsabilidade diante de Deus, sobre a perda de sua inocência por reconhecer que estava nu através do comer do fruto proibido, Adão não assume sua responsabilidade e culpa Eva de ter oferecido o fruto. Eva, por sua vez, aponta a culpa para a serpente. Se Adão tivesse cumprido seu papel de gerente da criação e assumisse sua responsabilidade no ato, o referencial de atitude teria se mantido, e Eva teria se espelhado nisso para assumir também as suas ações. Todavia, como o padrão foi quebrado e o homem, que é o representante de toda criação abandonou seu posto, ela por sua vez o seguiu. Veja que por meio de uma atitude covarde, todo um efeito dominó foi deflagrado, pelo motivo de o homem não ter cumprido seu papel.

Poderíamos listar inúmeras outras situações onde a falta de um referencial masculino adequado acarreta graves danos, não somente a um lar específico, mas a toda uma cadeia de indivíduos que sofrem por falta desse mesmo referencial.     O que queremos ressaltar é que a situação atual de nossos lares e de nossa sociedade urde para que voltemos às Escrituras para entender o que de fato é um homem bíblico, um homem que honra em primeiro lugar ao Deus Criador, servindo-o de acordo com sua lei, e vivendo em meditação constante, como é descrito o homem feliz e bem-aventurado do Salmo 1.

Poderíamos listar inúmeras outras situações onde a falta de um referencial masculino adequado acarreta graves danos, não somente a um lar específico, mas a toda uma cadeia de indivíduos que sofrem por falta desse mesmo referencial. O que queremos ressaltar é que a situação atual de nossos lares e de nossa sociedade urde para que voltemos às Escrituras para entender o que de fato é um homem bíblico, um homem que honra em primeiro lugar ao Deus Criador, servindo-o de acordo com sua lei, e vivendo em meditação constante, como é descrito o homem feliz e bem-aventurado do salmo 1.

Devemos resgatar o padrão bíblico de masculinidade e vivê-la como bons soldados de Cristo. Com certeza, enfrentaremos as retaliações da sociedade, que cada dia mais corre para sua destruição por meio da quebra dos princípios estabelecidos por Deus. Contudo, fiados no Filho Unigênito do Pai, em nossa Rocha Eterna, estaremos prontos para exercer nossos papéis glorificando o Criador, pois para isso fomos criados. É nosso dever nos equilibrar entre o uso de nossos dotes e habilidades, como força, perspicácia, governo da criação, proteção, ensino e provisão com o uso da atenção, afeto, cuidado para fazer com que nossos lares vivam o propósito de Deus para sua criação, e isso através disso haja o exercício da verdadeira masculinidade.

Cristo triunfa!

22 anos, cristão, escritor, blogueiro. Estudante de teologia. Membro da Igreja Presbiteriana de Jardim São Paulo, Recife – Pernambuco.

Deixe uma resposta