Por que não falar sobre solteirice?

Revisado por: Alicia Catarina

É comum no meio cristão, tratar assuntos como liderança masculina, submissão feminina, maternidade, as diferenças na vocação do homem e da mulher, e outras coisas a respeito do matrimônio, de acordo com a cosmovisão bíblica. Eu mesma já escrevi sobre isso em A vocação da maternidade e a modernidade (Se você não leu ainda, leia!) e sei que são, de fato, temas importantíssimos. Muitas moças estão lendo o tempo todo sobre casamento e tentando se preparar para serem boas esposas e mães no futuro; muitos rapazes têm lido e discutido sobre piedade masculina para serem bons maridos e pais quando se casarem. Porém, o que tenho notado e compartilhado com algumas amigas cristãs é que têm-se esquecido de falar sobre a importante e preciosa fase da solteirice. Sim, precisamos falar sobre isso! Mas, ser solteiro é bom? Como estar sozinho, ser a “vela” dos casais de amigos e ouvir piadinhas sobre estar “encalhado” é algo legal? Pode parecer estranho (principalmente se você pensa, aí no secreto do seu coração, que se casar é tudo nessa vida), mas pretendo com esse texto te encorajar a amar o fato de estar solteiro.

O que me preocupa é que nós temos a imensa facilidade de fabricar ídolos em nosso coração, como dizia Calvino. E muitos de nós têm feito do matrimônio e do romance uma forma de idolatria, ficando ansiosos com isso e, consequentemente, frustrados por permanecermos solteiros e sem expectativa de quando finalmente iremos chegar a esse estágio tão gracioso da vida: o casamento. Acredito que as mulheres é quem ficam mais ansiosas ao pensar em matrimônio, e muitas se preparam emocionalmente para exercerem sua feminilidade como casadas, mas não colocam seu coração em Deus e em sua vontade, tornando tudo mais difícil e, claro, pecaminoso. Também não devemos fazer o contrário, isto é, idolatrar a solteirice. Nem viver como os ímpios que acham que devem “aproveitar a vida” enquanto são jovens, mergulhados na imoralidade, deixando para pensar em casamento e filhos depois dos 30 anos, quando a vida estiver financeiramente estável.

Compreendendo a solteirice pela cosmovisão bíblica

Precisamos entender, como cristãos, o que a solteirice reflete. Sempre pensamos nos papéis do homem e da mulher no matrimônio e relacionamos de forma representativa com o relacionamento de Cristo e a igreja. Quão precioso é saber que o casamento que agrada a Deus é aquele em que o homem ama sacrificialmente a sua esposa, pastoreando-a em amor; e que a mulher submete-se a seu marido, auxiliando-o em amor e honra. Nós que fomos resgatados por Cristo, pela sua obediência perfeita e sacrifício, sabemos como essa analogia é maravilhosa. Mas, não sei se você já parou para pensar, há também como enxergar doutrinas preciosas e confortantes relacionadas à solteirice.

A solteirice reflete a suficiência de Cristo em nossas vidas. Que estamos a espera do noivo perfeito, aquele que se sacrificou por nós, que nos amou incondicionalmente e que nos fará descansar eternamente ao seu lado. Ela nos faz lembrar que vivemos para glorificar à Deus de forma contente e submissa à sua vontade. Se você é solteiro, sempre que o fato de estar sozinho e de não ter os sonhos de matrimônio sendo realizados, recorde que Cristo é suficiente e é Ele quem deve ser seu regozijo! Isso me fez lembrar um texto muito bom escrito por uma irmã querida, Raquel Ribeiro¹:

Foi para isso, então, que Deus colocou a necessidade de amor em mim, para me mostrar que não sou como Ele, não sou Deus. Antes, sou pó, que necessita e depende totalmente de Deus e da sua misericórdia e que tem sua suficiência somente em Cristo. E ainda que Ele me dê um esposo que muito me alegre, minha satisfação completa deve ser no perfeito Noivo que conduz minha vida e prometeu: E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século (Mt 28.20).

Para alguns de nós, a solteirice não é apenas uma fase.

Apesar de ser uma exceção à regra, devemos lembrar que existem pessoas que não irão (ou não desejam) se casar. E muitas delas ficam confusas ao se depararem com essa realidade diferente da maioria, investindo em relacionamentos frustrados por falta de conhecimento da Escritura e até de um bom aconselhamento. No Evangelho de Mateus, quando os discípulos perceberam o quão difícil é a responsabilidade e o compromisso do casamento e disseram isso a Jesus, Ele falou a respeito do celibato e que se trata de um dom somente para alguns:

“Disseram-lhe seus discípulos: Se assim é a condição do homem relativamente à mulher, não convém casar. Ele, porém, lhes disse: Nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi concedido. Porque há eunucos que assim nasceram do ventre da mãe; e há eunucos que foram castrados pelos homens; e há eunucos que se castraram a si mesmos, por causa do reino dos céus. Quem pode receber isto, receba-o.” Mt 19.10-12

Vemos também o apóstolo Paulo dizendo em 1 Coríntios 7.7-9, que ser solteiro, como ele, é algo bom e é um dom do Senhor que não é para todos:

“Porque quisera que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira, e outro, de outra. Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu. Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar-se do que abrasar-se.” 

E ainda nos versos 32 a 34, Paulo fala dos benefícios de ser solteiro: Cuidar exclusivamente em agradar ao Senhor. O que é mais prazeroso para um cristão genuíno do que se deleitar em servir ao seu Deus? O que pode dar sentido à nossa vida a não ser fazer a vontade do Senhor e glorificá-lo?

“E bem quisera eu que estivésseis sem preocupações. O solteiro cuida das coisas do Senhor, de como há de agradar ao Senhor; Mas o que é casado cuida das coisas do mundo, de como há de agradar à mulher. Há diferença entre a mulher casada e a virgem: a solteira cuida das coisas do Senhor para ser santa, assim do corpo como do espírito; porém a casada cuida das coisas do mundo, de como há de agradar ao marido.” 1 Co 7.32-34

“Há diferença entre a casada e a virgem”

Em detrimento aos benefícios da vida de quem não é casado, Paulo afirma que os que são casados servem à Deus de forma diferente dos solteiros, pois precisam agradar o seu cônjuge.

De fato, trazendo um pouco tais coisas para o meu contexto de moça solteira, é claro que tenho oportunidade de servir de formas diversas e com mais facilidade do que minhas irmãs casadas. Não possuo filhos que dependem de mim, que regulam meus horários e me impedem, de uma certa forma, de sair de casa; não possuo ainda um marido que precisa do meu tempo para auxiliá-lo; nem tenho tantas obrigações com meu lar como teria se fosse uma mulher casada. Uma pessoa solteira pode conseguir ajustar a sua agenda de forma rápida e com mais autonomia, quando há, por exemplo, um irmão com algum tipo de necessidade a ser suprida, um trabalho da igreja a ser feito, ou até mesmo palestras e eventos preciosos para um maior aprendizado da escritura.

Cuidando das coisas do Senhor para crescermos em santidade

Voltando para a última passagem que lemos, o versículo 34 fala que “a solteira cuida das coisas do Senhor para ser santa”. Não podemos esquecer, mas ter sempre em nossa mente que devemos buscar um viver santo em todo nosso proceder. Separados do mundo, mas unidos a Cristo. E a motivação em nosso coração em cuidar das coisas do Senhor, não pode ser o orgulho, querer ser visto pelos homens ou qualquer outra coisa. Porém, “como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver” (1 Pe 1.14-15).

 

Por fim, gostaria de resumir esse texto, pontuando 3 princípios valiosos para que fiquem fixados em sua mente:

  • Não dê lugar aos ídolos do coração.

Não permita ser guiado por essa ansiedade pecaminosa que consome seu coração em busca de um romance. Um casamento não é a razão da nossa existência, mas sim o Senhor que instituiu o casamento. Deus quer que você o sirva com inteireza de coração, logo, abandone os ídolos que você tem levantado aí em secreto.

  • A solteirice reflete a espera pelo noivo e a suficiência em Cristo.

Que isso seja o seu regozijo. Esteja contente e submisso à vontade do Senhor Deus, crescendo em santidade. Aproveite para conversar em seus grupos de amigos sobre os benefícios de ser solteiro, compartilhar as lutas uns com os outros e orarem uns pelos outros.

  • Aproveite seu tempo!

Tudo o que você puder fazer para o Reino de Deus, faça sem exitar. Não caia no erro de pensar que pode fazer tudo ao mesmo tempo por ser solteiro (e confesso que luto contra esse mal), mas esteja disposto a oferecer ajuda a quem precisa, também a participar de projetos que edifiquem o povo de Deus. Espalhe a mensagem do evangelho, sirva seus pais com toda honra e desfrute da comunhão com os santos.

Soli Deo Gloria


REFERÊNCIA

¹ RIBEIRO, Raquel. O noivo que vai além das suas expectativas. Disponível aqui.

Recifense, estudante de Serviço Social, porém, conservadora. Serve na Congregação Batista da Graça em Recife, amante de livros e principalmente das Escrituras Sagradas. Salva pela graça e para o louvor da glória de Deus.

Um comentário em “Por que não falar sobre solteirice?

Deixe uma resposta