Trinta e três anos da morte de Gordon Haddon Clark

No dia nove de Abril de 1985, em uma manhã na cidade de Westcliffe, Colorado, morreu Gordon Clark, o qual foi um ministro Presbiteriano, nascido em um lar cristão, seguindo assim os passos do seu progenitor. Operoso, hábil teólogo e filósofo, Gordon foi também autor de mais de trinta livros publicados no período de sua morte[1].

Nascido na Filadélfia no ano de 1902, Clark foi discente da Universidade da Pensilvânia e de Sorbonne, tendo sua graduação sido baseada na filosofia Antiga, ao passo que sua tese sobre os ensinos Aristotélicos. Desempenhou um papel notável no campo da filosofia, após a publicação de artigos acadêmicos, bem como na tradução de textos filosóficos na língua grega, o qual também fora responsável por dois textos famosos Readings in Ethics e Selections from Hellenistic Philosoph, obtendo, assim, uma destacada admiração entre os acadêmicos de sua época.

Durante seus 60 anos de docência, o Dr. Gordon escreveu mais de quarenta livros, onde inclui-se um compêndio da História da Filosofia – Thales to Dewey[2]. Seu campo de conhecimento não restringia-se apenas à filosofia Antiga, mas também fora um ilustre teólogo, escrevendo: “Biblical Predestination, Reason and Revelation e What Do Presbyterians Believe?”, dentre outros livros que mui valiosos são para o cristianismo moderno.

Dentre a sua jornada como escritor e docente, o doutor Gordon, fora acusado de determinista fatalista e, pelos que não se aprofundaram em seus escritos, ou ao menos teve o prazer de lê-los,  de nestoriano[3].

O Dr. Gordon Clark ao escrever “ Biblical Predestination, Reason and Revelation e What Do Presbyterians Believe?” defendia a soberania Divina frente a responsabilidade humana, o que aparentemente configurava em colocar Deus como também o autor do mal [4]. Com isto, em 1932, quando Gordon tinha seus 29 anos de idade,  publica um ensaio intitulado The Evangelical Quartely, que elucidaria o seu pensamento sobre a relação entre a Soberania Divina e a responsabilidade humana, sendo este uma exímil contribuição sobre o tema. Sobre este assunto descreve Gordon:

 “enquanto várias outras visões se desintegram nesse ponto (isto é sobre Soberania Divina e Responsabilidade humana), o sistema conhecido como calvinismo, e expresso na Confissão de Fé de Westminster, oferece uma resposta satisfatória e completamente lógica”[5].

Além destes trabalhos supracitados, o Dr. Gordon lecionou na Universidade da Pensilvânia, como também no Seminário Reformado Episcopal, na Faculdade Wheaton, na Universidade Butler, na Faculdade Covenant e no Seminário Sangre de Cristo.

Ademais, o autor ainda firmou suas obras em uma filosofia escrituralista, baseada em uma epistemologia revelativa proposicional, escrevendo sobre lógica e uma metafísica baseada em uma Soteriologia bíblica na qual afirma que a soteriologia não é um ramo da ética, haja em vista a salvação não ser concedida por obras ou relações ético-moral, mas apenas e tão somente pela fé.

Portanto, apesar das grandes contribuições para este século do Doutor Gordon Clark, ainda suas obras são pouco mencionadas e estudadas em alguns seminários e faculdades teológicas, o que é uma grande perda para o crescimento intelectivo e espiritual dos estudiosos das Sagradas Escrituras,  tornando-se assim, também, um grande dano para apologetas, sejam estes pressuposicionalistas ou não. Apesar que, é notório (mesmo que em pequenos passos) o despertamento para um estudo mais acurado sobre nomes como Gordon Clark e Van Til, tendo como cooperação para que isto aconteça, traduções do Filipe Sabino, bem como comentários e artigos do Reverendo Gaspar de Souza, as quais são ferramentas para esta ainda modesta popularização de suas obras.


REFERÊNCIAS

[1] ROBBINS, John W. O Agostinho da América: Gordon Haddon Clark. Disponível em: http://www.monergismo.com/textos/biografias /agostinho_america_clark.pdf. Acessado em: 15 de Abril de 2018 às 14:09.

[2] Traduzido para o português pela Editora Cultura Cristã. CLARK, Gordon H. De Tales a Dewey. Ed.Cultura Cristã, São Paulo, 2012, 480 págs.

[3] Para uma explicação mais acurada Cf. CRAMPTON. W. Gary.  Disponível em:<http://www.monergismo.com/textos/ cristologia/unidade _pessoa_cristo_crampton.htm>. Acessado em: 15 de Abril de 2018 às 15:07, “Nestorianismo do quinto século dividiu Cristo em duas pessoas separadas. O Nestorianismo foi condenado no Concílio de Éfeso (431). Os eutiquianos do quinto século, por outro lado, afirmaram que após a encarnação havia somente uma natureza em Cristo. Essa natureza não era nem completamente humana, nem completamente divina. Antes, a união produziu uma mistura das duas naturezas numa terceira natureza misturada, uma tertium quid. Essa visão, que é também conhecida como monofisitismo (“uma natureza”), foi condenada no Concílio de Caldedônia (451 d.C.).”

[4] CRAMPTON, W. Gary. Deus e o mal: O Problema Resolvido, de Clark. Disponível em: http://www.monergismo.com/textos/ resenhas/ deus_mal_ clark_crampton.pdf. Acessado em: 15 de Abril de 2018, às 15:33.

[5] Cf. CLARK, Gordon H. Na Introduction to Christian Philosophy (The Trinit Foundation, 1993),113,114. Apud CRAMPTON, W. Gary. Deus e o mal: O Problema Resolvido, de Clark. Disponível em:  http://www.monergismo.com/textos/resenhas/deus_mal _clark_crampton.pdf. Acessado em: 15 de Abril de 2018, às 15:33.

Cristão Reformado, membro da Igreja Presbiteriana do Brasil, servo de Cristo e casado com a Rafaella Moreira. Bacharel em Teologia (FATIN), Licenciado em Filosofia (UFPE) e Mestrando em Filosofia (UFPE), estudante de Agostinho de Hipona.

Deixe uma resposta