Conhecendo a Deus a partir de Gênesis 1.1-2 – Parte I

“No princípio, criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas” (Gn 1.1-2).

O texto de Gênesis é um texto muito especial, pois toda a Bíblia recebe luz a partir de Gênesis capítulo primeiro. O texto bíblico, por completo, é a revelação do que Deus é e do Seu propósito para com a Sua criação. Assim, o propósito das Escrituras é revelar a Deus e manifestar a Sua glória para nós. Sendo o texto de Gênesis um dos mais estudados, é, portanto, um dos mais importantes. O objetivo deste texto é tratar dos dois primeiros versículos.
Quando lemos a respeito de Deus, entendemos que Ele quer se revelar a cada um de nós, a cada instante, a cada dia. Principalmente a Seus filhos Ele quer revelar Sua glória, bem como a maneira como esta e todos os outros atributos de Deus devem influenciar diariamente nossas vidas. O texto de Gênesis 1.1-2 é um alicerce de toda a Revelação de Deus nas Escrituras [1].

Algumas observações preliminares, antes de tratar sobre o que podemos conhecer de Deus a partir de Gênesis 1.1-2.

1) A criação foi realizada pelo Deus Trino. Ao estudarmos a doutrina de Deus, percebemos que Deus é três Pessoas em um só Deus. Quando de forma didática estudamos, entendemos que há áreas de ênfase no ministério de Deus, ao mesmo tempo em que vemos que Deus está envolvido em qualquer ato que lhe requer presença ou intervenção. Em outras palavras, é comum estudarmos que Deus Pai é o Criador, que o Filho é o Salvador, e que o Espírito Santo é o Santificador. Mas quando lemos as Escrituras percebemos que os 3 sempre estiveram envolvidos em cada obra divina. O Pai, o Filho e o Espírito Santo estavam envolvidos na obra de criação dos Céus e da Terra. Em João 1.3 o evangelista João nos fala do Verbo, e vemos a Pessoa de Cristo na criação: “Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez”. Em Gênesis 1.2 vemos a presença gloriosa do Espírito, envolvendo a Terra, dando ambiente para a criação. A palavra “Deus” no versículo 1 é a palavra hebraica no plural para Deus – “Elohim”, que se no trecho se refere à Trindade presente na criação.

2) Como o texto foi registrado é exatamente a mais fiel exposição daquilo que aconteceu. A criação de Deus se deu exatamente como Ele nos revela. Há dezenas de teses a respeito da criação ou evolução. Existe, no teísmo, correntes distintas, inclusive aquelas que entendem que o texto escrito é figurado, de modo que os dias eram “dias-era – ou seja, os dias referidos poderiam ser milhares de anos. Mas não é isso que está escrito. O dia em Gênesis 1 é o dia literal de 24 horas: a) a palavra utilizada no hebraico é אני (yôm), que significa dia de 24 horas; b) a cada dia Deus fez questão de colocar a designação de quanto o dia durou: teve tarde e manhã – nos versículos 5, 8, 13, 19 e 23 e 31, para cada dia é designado o tempo utilizado para a criação. Deus tem em suas mãos o tempo! Pela Sua boca o mundo foi criado. Deus disse e o mundo veio a existir. O tempo descrito por Gênesis é exatamente o tempo literal.

3) A criação foi perfeita – nada fugiu ao controle de Deus. Em nenhum momento houve desvio do propósito divino. Tanto que em todos os atos da criação aparece a expressão “E viu Deus que isso era bom.” Tudo esteve sob o controle de Deus (Elohim), que fez surgir tudo que estava em seu coração desde os tempos eternos.

A revelação que Deus faz de Si mesmo – Gênesis 1.1-2

A partir do texto de Gênesis 1.1-2, podemos fazer três afirmações sobre a revelação que Deus faz de si mesmo.

1) A primeira diz respeito à Sua soberania. Ao Seu ato de agir movido pela Sua única e exclusiva vontade. Deus não precisa de nenhuma condição para cumprir Seus propósitos. O verbo usado para a criação é o verbo בָּרָא (bara), no hebraico, utilizado de forma muito especial, indicando uma criação surgida do nada. O versículo 1 é chave nas Escrituras, porque é esse Deus, que cria do nada toda a existência. A expressão nesse versículo lança luz a todo o poder, soberania e cuidado de Deus para com os Seus. Gênesis 1.1 é base de como Deus quer se revelar a nós. Disso depreendemos que Deus não depende de nossas ações para cumprir em nossas vidas o que Ele planejou! A palavra bara indica que a Terra e os Céus foram formados quando nada existia, somente Deus.

A palavra “princípio” é a primeira palavra das Escrituras porque o tempo começou a ser contado exatamente no momento em que o primeiro ato Criador de Deus foi levado a efeito. Antes disso não existia absolutamente nada, nenhuma partícula, a não ser Deus somente. Por isso, Deus é pré-existente. Ele é auto existente porque não depende de nada nem de ninguém para existir. Não houve toque criador para Ele existir. Todas as outras coisas precisaram de um toque criador, e o Deus trino o fez, esse que chama do nada à existência.

Toda a nossa caminhada com Deus depende exclusivamente dEle. O que temos que entender é que precisamos ter um caminho de obediência e somente. Todas as outras ações são parte do Seu propósito em nossas vidas. Na Teologia Paulina, o apóstolo argumenta em Romanos 9, a partir da história do nascimento de Esaú e Jacó, que Deus escolheu o mais velho para servir ao mais novo, quando nenhum deles havia feito mal ou bem; Deus é que conforme a Sua própria vontade assim determinou. Falando sobre a soberania de Deus, Paulo faz perguntas retóricas (Rm 9.19), às quais responde: “Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim? Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra e outro, para desonra?” (Romanos 9. 20-21). Paulo argumenta que Deus age em nosso meio para cumprir a Sua vontade, para que os Seus propósitos para com a Sua criação sejam cumpridos. Foi assim desde o primeiro momento. Quando nada havia, Ele chamou à existência o universo. Ele nos fez também por um ato da Sua vontade, ninguém está aqui por um mero acaso, por um descuido, mas para cumprir o propósito daquele que chama do nada à existência tudo que há.

Ele chama à existência aquilo que não entendemos para fazer parte da nossa caminhada, segundo o Seu propósito. De forma prática, podemos aprender que nossas vidas estão sempre sendo direcionadas por Deus para cumprir o que está em Seu coração. Não preciso entender todas as coisas, nem ter respostas para tudo, porque Aquele que chamou do nada tudo que existe para cumprir o Seu propósito faz isso comigo também, e sou desafiado a andar em sua presença, a apenas obedecer à Sua Palavra e confiar plenamente! Quando leio que Deus criou do nada todas as coisas, imagino em que mãos poderosas eu estou descansando.

 

Este texto é uma adaptação do sermão proferido pelo Rev. Sérgio Victalino no culto vespertino do dia 09/06/2019, na Igreja Presbiteriana de Boa Viagem.

Deixe uma resposta